terça-feira, 9 de agosto de 2016

Queridos amigos,

Segue abaixo uma das maiores fontes de inspiração de todas minhas histórias, o documento: A família, proclamação ao mundo.


 
Para quem quiser ler a proclamação completa, clique neste link
 

O que tenho a dizer sobre isso?

O livro O Elo Forte contém minha crença e opinião pessoal do assunto. Acredito no casamento e na família tradicional como estabelecido por Deus. E acredito que esse modelo é o que traz maior felicidade e progresso para as pessoas de um modo geral.

É claro que existem exceções. Alguns casamentos realmente não têm como dar certo. Mas isso acontece especialmente quando um dos cônjuges não vive de acordo com os demais mandamentos de Deus! Porque quando duas pessoas imperfeitas se esforçam para melhorar e viver em união, sempre há conserto divino para os relacionamentos.


Bonnie L Oscarson:

Posso salientar algo óbvio? As coisas na vida raramente acontecem exatamente como planejado, e estamos plenamente cientes de que nem todos estão vivenciando o que a proclamação descreve. Ainda assim, é importante compreender e ensinar o padrão do Senhor e esforçar-se para cumpri-lo da melhor maneira possível.



Mark A Mathews

“Apenas porque nem todos atingem o ideal, não significa que devemos parar de considerar esse modelo ideal como o padrão a seguir”.

 

quinta-feira, 30 de abril de 2015


Olá pessoal!!! Depois de ouvir tantos protestos de amigos leitores reclamando da demora, apresento finalmente a continuação prometida! A Guerra Invisível ficou pronto e o lançamento em Curitiba, PR está sendo agendado para ocorrer em breve (Yupiiiii!). Agradeço muito a todos que me incentivaram a continuar escrevendo a série e já adianto que dessa vez, o final tem cara de final mesmo, para ninguém ficar bravo comigo enquanto o último não sai! Rrsrss. Os textos da sinopse e contra-capa já estão inclusos aqui no blog para quem quiser saber mais, espero ter vocês nas fotos do lançamento! Grande abraço!



quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Olha só que legal, um estudo sobre os pulsares!!!


Um estudo da Universidade Australiana La Trobe mostrou que crianças de 3 a 6 anos com amigos imaginários são mais criativas e sociáveis. Outras pesquisas mostraram que elas usam frases mais complexas e se relacionam melhor com os colegas. A explicação para isso é que elas praticam os dois lados da conversa, experimentam papeis diferentes na história e pensam abstratamente.
Segundo pesquisas recentes, 30% das crianças na idade pré-escolar, de 3 a 7 anos têm um amigo imaginário. Esse é o jeito delas se comunicarem, exporem seus desejos e sentimentos. Elas encontram no amigo imaginário uma forma de dividir alegrias e tristezas e de controlar a situação. Ela é a dona da história: cria o enredo, inventa o desfecho e exerce a autoridade que não tem na chamada vida real.
Alguns fatores podem desencadear a criação dos amigos invisíveis, principalmente situações de estresse e ansiedade, como a mudança de escola, a chegada de um irmão ou a separação dos pais. Aí, por meio da imaginação, a criança compreende melhor o que está sentindo. O amigo imaginário é um apoio, um conforto e uma companhia para ela.
Toda a brincadeira que envolve a imaginação faz bem. Quando a criança cria um mundo, ela trabalha certas regiões do cérebro e deve deixar a fantasia rolar. 


(Texto extraído da revista Pais & Filhos de Maio de 2010)


quarta-feira, 18 de junho de 2014

O Foco de cada livro em poucas palavras

O Elo Forte, uma história contada por quatro gerações: FAMÍLIA, CASAMENTO, LEGADO.

Um Sonho Distante, o que existe além da memória: LEMBRANÇAS, DIFICULDADES, AMOR.

A Guerra Invisível, o que se ganha quando se perde: SERVIÇO, ALTRUÍSMO, PERDÃO.

Uma Viagem de Volta, o resultado das decisões: O VALOR DOS PAIS/MÃES, GERAÇÕES UNIDAS.


quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Trabalhos de Escola com O Elo Forte


Hoje me lembrei desses trabalhos que foram feitas por uma leitora muito querida que mora na cidade onde cresci - Mogi Guaçu, SP. Apesar de eu não ter imaginado (a princípio) que chamaria a atenção dessa faixa etária, elas não são as primeiras dessa idade a me surpreenderem com pedidos pelo resto da série! O Elo Forte foi lido em equipe e elas fizeram uma maquete e um cartaz para representar Estelar e os personagens da história. Adorei! Vou postar aqui pra deixar registrado...


segunda-feira, 9 de setembro de 2013

RECEITA DE MILINKA

Sim, eu sei que esse título não tem nada a ver com meu blog. Não criei esse espaço para compartilhar receitas (apesar de apreciar vários blogs desse tipo). Acontece que hoje de manhã, me lembrei de minha avó paterna - Dominichia Rainov, ou como era chamada aqui no Brasil - Vó Domingas. Ela veio da Bulgária e conheceu meu avô, Stefan Argachof, no navio, quando ambos imigravam para cá. Posteriormente, descobri que, na verdade, ela era da Moldávia, mas vivia em uma colônia búlgara de lá - Isrelia. Enfim, essa minha avó morreu quando eu tinha uns 8 anos, mas me lembro dela, lembro-me de sentir que ela gostava de mim, e vinha nos visitar sempre que podia.

Bom, talvez essa postagem tenha algo a ver com o espírito do meu blog sim, porque o tema central de O Elo Forte é justamente esse - o poder da influência que passamos de geração em geração dentro de nossa família!

Dona Domingas teve vários filhos e consequentemente várias noras, mas tinha a mania de manter segredo de suas receitas, talvez fosse para manter os filhos sempre por perto! Felizmente, ela resolveu passar uma de suas melhores receitas para minha mãe, a tradicional milinka era uma comida comum na longínqua Bulgária, mas não aqui! Ninguém sabe do que estou falando quando comento: Ai... que vontade de comer uma milinka! Ela nos contou que era costume lá, as moças fazerem campeonatos para ver quem conseguia abrir mais a massa da milinka sem deixá-la rasgar, servindo até como uma forma de provar que já estavam prontas para se casar e que seriam ótimas donas de casa.

Bom, gostei de relembrar tudo isso e vou compartilhar a preciosa receita aqui, em homenagem à ela. Acho que existem mais opções de recheio, mas os que ela mais fazia (e minha mãe também) são as de abóbora e queijo.

INGREDIENTES:

- 500gr. Farinha de trigo
- 1/2 colher de sobremesa de sal
- 2 colheres de sopa de óleo
- 1 copo (200 ml) de água

Recheio - Queijo fresco (ou meia cura) esfarelado e/ou doce de abóbora em creme (Ps. O de verdade, não acho que vá combinar aqueles doces industrializados)

Modo de Preparo:

Coloque em uma tigela a farinha, o sal e o óleo e vá amassando, despejando a água bem aos poucos. Deve chegar a um ponto em que a massa desgruda da mão, mas não fica muito dura, ela quase ameaça de grudar.

Faça uma bola e deixe-a descansar umas 12 horas.

Divida em 5 bolas e abra com o rolo e depois com o auxílio das mãos. (É aí que entra a habilidade! É muito difícil fazer isso sem rasgar a massa... Tanto que minha mãe diz que nunca conseguiu fazer uma tão boa quanto a de minha avó, e eu ainda não consigo fazer igual a da minha mãe! Mas vou continuar treinando...)

Quando a massa já estiver bem aberta e fininha por igual, deite-a sobre a mesa para espalhar o recheio. Não precisa lotar muito porque em seguida, a gente dobra essa massa (sobrepondo as camadas de recheio). Mas não é de dobrar ao meio, faça como se fosse fechar uma camisa e depois enrugue essa "camisa" até ficar numa largura de aproximadamente uns 6 cm.

Coloque essa massa comprida e amassadinha (ou enrugadinha) em uma forma redonda (tipo de pizza) untada, começando do centro e vá enrolando como se fosse uma cobrinha até encher a forma. As 5 bolas costumam render o tamanho de uma forma de pizza grande. Você pode mesclar os 2 sabores na mesma forma, colocando-os lado a lado.

Pincele (ou passe com os dedos mesmo) gema de ovo para ficar mais douradinho. Asse uns 40 min. em forno médio.

Vou ficar devendo uma foto, na próxima vez que eu fizer, vou tirar para postar aqui!


sábado, 17 de novembro de 2012

Familia.com.br

Hoje eu gostaria de recomendar um site que acredito ser muito interessante. Trata-se do familia.com.br recentemente lançado pela Deseret Digital Media. Lá você encontra dicas, ideias e reflexões sobre praticamente qualquer aspecto da vida familiar. Vale a pena visistar! Eu colaborei com 78 artigos do asservo e foi uma experiência muito boa, pois pude escrever sobre os mais variados temas, todos ligados, de certa forma, aos nossos valores. Todos os outros escritores que trabalham para esse site são excelentes, seus textos realmente agregam, elevam e ajudam, por isso, fica aí o link para quem quiser conferir!